quinta-feira, 16 de setembro de 2010

ARTIGO: PUNIÇÃO X ORIENTAÇÃO


Autor: Marcos Bazzana Delgado
Inspetor da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo



A punição não é instrumento de busca da eficácia nas ações da Administração Pública.

Nos dias atuais muitos estudos se voltam para o aperfeiçoamento da gestão na administração pública. Neles a idéia de adoção de medidas punitivas como meio de alcançar bons resultados vem sendo gradativamente abandonada

Temas como gestão pela qualidade, gestão de projetos, valorização profissional e planejamento estratégico já fazem parte do vocabulário dos servidores públicos nos corredores das repartições em que prestam serviços.

Aos poucos novos conceitos vêm sendo incorporados e muitas instituições públicas têm demonstrado significativa melhora em suas rotinas de trabalho com a adesão às novas filosofias.

Recentemente tive a oportunidade de participar de uma formidável palestra sobre gestão de qualidade onde foi ressaltado o fato de que muitas organizações deixaram de se preocupar em encontrar culpados, passando a aproveitar melhor suas energias na busca de falhas tão somente com o escopo de saná-las, para que assim suas metas não sejam prejudicadas.

Por que razões, então, muitas organizações ainda pregam tanto a sanção disciplinar como forma de corrigir as falhas que são encontradas nos resultados inesperados de suas ações?

Por que motivos alguns ainda acreditam que a punição na esfera administrativa poderia ser solução para resolver problemas da Administração Pública?

Aos olhos de um observador, de que forma seria avaliada uma organização que publica em Diário Oficial uma extensa lista de servidores sendo punidos porque não executaram a contento as suas funções?

Entre cientistas jurídicos é maciço o entendimento de que prisão na esfera criminal atinge tão somente o criminoso, não a criminalidade.

Esse entendimento nos leva a várias reflexões.

Uma delas é a de que a punição deve ser encarada como medida extrema, destinada a ações intencionais que tiveram por finalidade comprometer ou lesar o ciclo de atividades estipuladas pela superior administração para a consecução das atribuições institucionais.

Outra reflexão é no sentido de que algumas poucas chefias que ainda cultuam a punição como única ferramenta disponível para garantir o “respeito e a obediência” de sua equipe podem estar correndo sérios riscos de enfrentarem problemas de gestão neste universo em que as pessoas não mais se sujeitam a abusos, ao mesmo tempo em que estão despertando com maior clareza na prática do exercício pleno dos seus direitos.

Sem contar a enorme frustração e a desmotivação que uma punição acarreta ao servidor, que praticamente perde o interesse em compor a equipe de trabalho, outra reflexão nos faz lembrar que o simples fato de punir não ajudará encontrar a solução para as falhas dos processos de produção do trabalho. Portanto, a partir da tomada de decisão em punir o servidor que não alcançou o resultado esperado, serão despendidos esforços redobrados no âmbito da organização: Um para apurar responsabilidades, procurando os culpados – e isso já exige a designação de pessoas e custos; o outro para corrigir os erros nas rotinas do trabalho, que não têm nada a ver com a punição e dela nada poderá obter ao seu favor.

Ao longo de mais de 12 anos convivendo com o serviço público, em especial durante o tempo em que pudemos trabalhar com processos disciplinares, pudemos perceber que existem casos em que para se chegar a uma punição ineficaz foi preciso grande empenho do chefe correndo atrás de autuações de processos, oitivas de testemunhas, longos relatórios e, o principal, enorme esforço intelectual para conseguir demonstrar o erro de seu subordinado, fazendo malabarismos audaciosos para tentar enquadrar o fato à norma, como no sentido figurando em que alguém tenta inserir um quadrado grande dentro de um círculo pequeno.

Essa nossa forma de pensar não quer dizer que as ações dos servidores devam passar despercebidas. Grandes organizações atuam na forma preventiva, dando maior ênfase para o treinamento e a orientação. Quando percebem que ainda assim algo sai errado, submetem as condutas aos conselhos de ética, para só então, diante de reincidências ou em caso de comprovada má fé, adotarem medidas disciplinares.

No nosso caso, na Guarda Municipal, os líderes, tanto Inspetores como Classes Distintas, ostentam em seus distintivos alusivos ao curso de formação dizeres em latim cuja significação leva ao entendimento de que são “condutores” de seus subordinados. Já que conduzem, conclui-se que têm parcela de culpa quando seus “conduzidos” falham. Então, como meio de agir com justiça, ao insistirem em punição, em alguns casos, deverão eles se incluir nas mesmas sanções propostas para um membro de sua equipe. Daí, mais uma razão repensar nossas ações.

Tudo isso para ser alcançado depende de muita reflexão e uma mudança cultural que deve partir dos mais altos níveis hierárquicos, visto que o pensamento arcaico tende a se arraigar na mente de pessoas acomodadas pelo tempo. Não é tarefa fácil o exercício de vencer nossas paixões para impedir que sentimentos primitivos voltem a dominar nossas vontades, fazendo-nos cometer os velhos erros.

Enfim, acreditamos neste novo modelo, e acreditamos ser possível conduzir nossas instituições por novos caminhos que possam tornar melhor o convívio. Para isso, é necessário que continuemos sempre levantando templos à virtude e cavando masmorras aos vícios.

Fonte: Blog Os Municipais

3 comentários:

  1. Exatamente Inspetor, assim fala um grande Lider...bater é fácil difícil e compreender, educar , ensinar... apesar de não sermos crianças a situação dos GCMs estava crítca demais, sem aumento, sem respeito, sem motivação e mesmo lutando por aumento vários gcms foram punidos, eu fui um deles, por um chefe que estava na inspetoria a 2 ou 3 mêses, por causa de duas faltas,,, meu comportamento virou insuficiente me prejudicando ainda mais...passei do comportamento bom em mais de 15 anos para este comportamento por causa de um chefe que sinceramente não é respeitado pela corporação e o pior ainda ganhou aumento e gratificações as custas de sua hipocresia, mas de nossa coragem de dar a cara pra baterem!

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Sr. ICR Bazzana pelo artigo publicado.

    Realmente existe grande diferença entre Chefe e Líder, pois aqueles(as) que utilizam o fator "punição" como única ferramenta para garantir o "respeito e a obediência", são ou estão chefes.

    No entanto, aqueles(as)que cultuam a orientação, o ensinamento, a fiscalização e em último caso a punição são os verdadeiros Líderes.

    Sabemos que trata-se de uma cultura a ser implantada na organização GCM, que por sua vez possui muitos adeptos, é apenas uma questão de "tempo" para que a orientação o ensinamento e o respeito à pessoa e ao profissional, sejam colocados a frente do mero ato de "punir".

    Aldo Fernandes.

    ResponderExcluir
  3. Muito bem!!! Sr. Bazzana. Com este artigo fiquei com vontade de ter você com chefe, rss!
    Infelizmente poucos chefes conseguem ter esta visão...agem com autoritarismo,são hipócritas, injustos, e desumanos e na maioria das vezes Omissos.
    A punição na maioria das vezes destrói auto estima do profissional, e coloca em risco o trabalho e objetivos de um grupo...

    Abraço

    Lucinália

    10/02/2011

    ResponderExcluir