sexta-feira, 13 de agosto de 2010

5 MINUTOS COM O GESTOR

GESTORES DE GUARDAS MUNICIPAIS (INSPETOR – SUPERVISOR – GESTOR – GERENTE - CLASSE DISTINTA – CLASSE ESPECIAL ETC.)

Com os Consultores Organizacionais

Roberto Cysne e Regina Célia Labadessa Galeão Coutinho

www.orgplural.org

sociedadesegura@gmail.com


PENSAMENTO ESTRATÉGICO

Lembramos que na ESG – Escola Superior de Guerra se estuda Pensamento Estratégico e não somente o Planejamento Estratégico.

Existe hoje, no contexto da formulação estratégica nas organizações, uma questão fundamental: as Guarda Municipais e seu desdobramento serão mais bem conduzidos por um processo de planejamento ou de pensamento estratégico?

No processo do planejamento estratégico a palavra chave é “análise”, ou seja, o desmembramento dos principais aspectos relacionados com a estratégia da Guarda Municipal em várias partes, para facilitar seu estudo e conseqüente compreensão, e assim tomar decisões fundamentadas em fatos concretos e dados precisos. O objetivo é conhecer a natureza da organização, fazer um bom diagnóstico do desafio e conceber suas intenções estratégicas (missão visão e valores), este processo parte do entendimento do ambiente e dos fatores competitivos (externos e internos) e, então, traçar objetivos e metas de médio e curto prazo e os correspondentes planos de ação (formalmente documentados). O que pode ser questionado neste processo? Um planejamento formal, com ações previamente estabelecidas, pode levar a organização na direção errada, particularmente num mundo onde a mudança das condições de competição é ato contínuo.

Assumindo que a estratégia é um pensamento complexo, por natureza, envolvendo percepção e intuição, podemos então aceitar que a estratégia acontece em nossa mente, antes de desenvolvermos todo o processamento analítico e sistemático do planejamento. Um processo no qual as informações nem sempre são precisas, às vezes são abundantes, outras vezes indisponíveis. É onde se baseia os defensores do processo de pensamento estratégico, onde a palavra de ordem é “síntese”, ou seja, a reunião de elementos concretos e abstratos em um todo, que tem sua origem num processo mental intricado com pensamento não-linear, que trata da complexidade de um grande volume de informações, que assume que os riscos inerentes são naturais e, assim, faz uso de intuição para a tomada de decisão e de criatividade para o desenvolvimento de novas abordagens para problemas antigos. Para esta escola, ter estratégia significa ter consistência de comportamento ao longo do tempo, e trabalhar inserido em um SISTEMA DE GESTÃO. Eis porque a sistematização (roteiro: NBR ISO 9001:2008 e outras normas) e conseqüente certificação deste sistema PODE anteceder as atividades do chamado Planejamento Estratégico.

Atualmente, por razões históricas, sociais e antropológicas, estamos diante da possibilidade de melhor utilizar o cérebro e a mente, aprendendo a lidar com os pensamentos de modo mais produtivo. O sucesso das Guarda Municipais, em um mundo de mudanças cada vez mais rápidas, requer dessas Guardas Municipais um modelo estratégico de gestão de atividades e que seus gestores e especialistas sejam criativos e habilidosos e possuam elevado nível de pensamento estratégico. Isso será necessário e de grande valia para a Guarda Municipal no desenvolvimento de cenários mais confiáveis e para reduzir a incerteza de suas decisões. Esta habilidade para o pensamento estratégico também será importante quando a Guarda Municipal necessitar inovar - imperativo competitivo para todas as Guardas Municipais, especialmente quando ela operar em ambientes altamente competitivos onde for difícil e mesmo impossível desenvolver e sustentar vantagem competitiva estrutural ou operacional sem ser imitada pela política.


Fonte: OrgPlural

Nenhum comentário:

Postar um comentário