domingo, 9 de maio de 2010

Inspetora Chefe de Agrupamento da GCM/SP é entrevistada pelo Portal da Rede Globo de Televisão em homenagem ao dia das mães

Filhos mudam rotina de mulheres fardadas em SP


Policial desiste de trabalho na rua por filha.
Apesar de preocupação, PM, bombeiro e guarda amam ser mães.

Paulo Toledo Piza Do G1 SP
Cabo Torres é mãe da pequena Laura 
Cabo Torres é mãe da pequena Laura
(Foto: Daigo Oliva/G1)
Era um dia comum de serviço, no ano de 2008, quando a cabo Érika Torres, do Corpo de Bombeiros de São Paulo, passou mal. Saudável e jovem, ela estranhou o enjoo e a tontura repentinos. A caminho do quartel onde trabalhava, na região central da capital, entrou em uma farmácia e comprou um teste de gravidez. Chegando à base, correu ao banheiro, abriu a embalagem e, após alguns minutos, constatou o que já supunha: estava grávida.
O nascimento de uma criança mudou a vida dessa e de outras tantas mulheres fardadas. As jornadas cansativas – e arriscadas – de trabalho na rua, apesar de prazerosas, passaram ao segundo plano na vida dessas mães.
Com a chegada de Laura Torres Ferreira, atualmente com 1 ano e 4 meses, a cabo Torres preferiu abandonar temporariamente a rotina à frente dos carros vermelhos da corporação e passou a trabalhar no setor administrativo. “Espero ficar mais um tempo aqui, até a Laura estar maiorzinha”, disse a bombeiro de 32 anos.
Situação semelhante vive a soldado da Polícia Militar Alessandra Santos Ferreira, também de 32 anos. Nos seus 14 anos de corporação, trabalhou seis deles no policiamento ostensivo. Há oito, foi para o setor administrativo, mas sempre pensando em voltar a “caçar bandidos”. Com o nascimento do primeiro filho, Marcos Vinicius, de 1 ano e 4 meses, esses planos foram cancelados. “Não quero mais voltar [a trabalhar na rua] por ele. Imagina se eu levar um tiro?”, questionou.
Ajuda
Soldado Alessandra e o pequeno Marcos Vinícius 
Soldado Alessandra e o pequeno Marcos Vinícius
(Foto: Paulo Toledo Piza/G1)
A rotina burocrática e menos perigosa, porém, não tira a preocupação do coração dessas mães. “Ligo várias vezes para saber como ela está”, afirmou a cabo Torres. Essa apreensão cresce quando os pequenos estão doentes. “Nessas horas, tenho que me segurar. Fico com o coração na mão”, acrescentou a soldado Alessandra.
A preocupação só não é maior por causa do auxílio prestado pelos parentes das mães fardadas. A inspetora Lindamir Magalhães Carneiro de Almeida, de 40 anos, sabe como é importante a ajuda da família. Diariamente, ela deixa os garotos Guilherme e Vinícius Magalhães Carneiro de Almeida, respectivamente de 7 e 5 anos, aos cuidados de sua irmã e de sua mãe. “Elas são meus anjos da guarda”, elogiou.
Lições
Durante os 20 anos de trabalho na GCM, a inspetora viu o drama vivido por crianças e adolescentes nas ruas da capital paulista. A história de meninos pedintes, viciados em crack e abandonados sensibilizaram a guarda-civil e afetaram a maneira como cria os filhos. “Sou mais tranquila, mais tolerante com eles. Ainda bem que eles respeitam a liberdade”, contou.
Os ensinamentos do quartel também influenciam na maneira como a soldado Alessandra educa Marcos Vinicius. Com muito carinho, ela impõe ao garoto horários para dormir, lanchar, almoçar e brincar. “Me chamam de sargento e ele, de recrutinha”, brinca.

Precavida, a cabo Torres prefere ensinar aos parentes noções de primeiros-socorros caso a menina se acidente. Essa precaução já surtiu efeito. “Uma vez, ela se engasgou e meu marido aplicou a manobra heimlich [usada para desobstruir as vias aéreas] na Laura”, lembrou.
Mudanças
Inspetora Lindamir e os filhos Vinícius e Gabriel 
Inspetora Lindamir e os filhos Vinícius e Gabriel
(Foto: Arquivo Pessoal)
Além da responsabilidade e da preocupação maiores, pequenos hábitos tiveram de sofrer alteração por conta das crianças. A soldado Alessandra gostava muito de sair à noite, ir a festas e teatros. “Agora, minha vida social se resume a festinhas de criança”, brincou.
Folgas podem ser canceladas por causa de ocorrências de grande vulto. Isso ocorre constantemente com a inspetora Lindamir. “Explico que é minha profissão, eles reclamam, mas acabam entendendo.”
Apesar das dificuldades dessa “vida dupla”, todas são unânimes ao afirmar que é muito bom ser mãe. “A Laura é a concretização de um sonho”, disse, orgulhosa, a cabo Torres. “Ser mãe não tem preço. É maravilhoso”, resumiu a soldado Alessandra.

Fonte: G1

5 comentários:

  1. Parabéns pela matéria e principalmente pela disposição em seguir com duas jornada de trabalho. Conheço a ICA Lindamir desde os tempos de CD em São Matheus e sei de seu empenho e dedicação com os filhos e com a instituição. Parabéns
    Alexandre Muniz Amaral
    Inspetor Permanencia
    Comando Geral

    ResponderExcluir
  2. Olá,com satisfação, parabenizo esta grande companheira,que sempre esteve ao lado dos colegas independente do grau hierárquico que se encontra. Humana,mulher,amiga e mãe.
    Um abraço cordial
    Estanislau Kezerlla
    Supervisão República 25 de Março

    ResponderExcluir
  3. Querida Colega Lindamir.


    O Dia das Mães é apenas uma data simbólica para que possamos celebrar e agradecer esse ser maravilhoso que são as nossas mães.

    Pois, na verdade, todo dia é dia dessa doce criatura, uma vez que as mamães são um presente de Deus, criado para proteger as crianças, com toda a sua força e com todo o seu carinho, delas cuidando e velando, sempre pronta para oferecer atenção e amor.

    O amor de uma mãe é tão poderoso, tão misterioso, que nem o tempo é capaz de desfalecê-lo. O vínculo formado entre uma mãe e seu filho é tão forte que não é desfeito jamais. Pois o amor de uma mãe é o mais puro e o mais natural dos sentimentos: as mamães amam primeiro, e depois existem; o filho é sempre sua prioridade.

    Conta um provérbio judeu que Deus, não podendo estar em todos os lugares, criou as mães. Eis a confiança que Ele depositou naquela que gera uma criança, pois Ele tinha a certeza da dimensão do amor e da preocupação de uma mãe em relação a seus filhos.


    Feliz Dia das Mães!
    Um grande abraço
    Humberto Pereira Costa
    Inspetor - CETEL

    ResponderExcluir
  4. Mamâe Lindamir!


    O Dia das Mães é apenas uma data simbólica para que possamos celebrar e agradecer esse ser maravilhoso que são as nossas mães.

    Pois, na verdade, todo dia é dia dessa doce criatura, uma vez que as mamães são um presente de Deus, criado para proteger as crianças, com toda a sua força e com todo o seu carinho, delas cuidando e velando, sempre pronta para oferecer atenção e amor.

    O amor de uma mãe é tão poderoso, tão misterioso, que nem o tempo é capaz de desfalecê-lo. O vínculo formado entre uma mãe e seu filho é tão forte que não é desfeito jamais. Pois o amor de uma mãe é o mais puro e o mais natural dos sentimentos: as mamães amam primeiro, e depois existem; o filho é sempre sua prioridade.

    Conta um provérbio judeu que Deus, não podendo estar em todos os lugares, criou as mães. Eis a confiança que Ele depositou naquela que gera uma criança, pois Ele tinha a certeza da dimensão do amor e da preocupação de uma mãe em relação a seus filhos.


    Feliz Dia das Mães!

    Humberto Pereira Costa
    Inspetor - CETEL

    ResponderExcluir
  5. olá companheiros estou passando para deixar o novo endereço do nosso blog da guarda municipal de ilheus, pois fomos obrigados a mudar para:http://guardasmunicipaisnoticias.blogspot.com/

    ResponderExcluir