quarta-feira, 10 de março de 2010

Inspetor Carneiro da GCM/SP esclarece dúvidas a respeito do andamento dos projetos sobre Aposentadoria Especial para policiais que tramitam no Congresso Nacional

Boa tarde, querido Amigo.

Após conhecimento dos expedientes anexos (PLC 554, PLC 330 e Emenda ao PLC 330), solicito Vossos préstimos no sentido de fazer divulgar o trabalho que nosso Deputado Federal Arnaldo Faria de Sá fez e vêm fazendo em favor das Guardas Municipais, vez que a informação que está circulando não está completa, fazendo com que o entendimento seja diverso da realidade ora vigente, cabendo destacar o importante trabalho que nosso Inspetor Regional Nery, em mesmo sentido, vem fazendo, vez que está muito bem realizando competente assessoramento, visando à defesa dos interesses das Guardas Municipais do Brasil, em especial, os de nossa Corporação.

Insp. Carneiro.  

_____________________________________________________________

Ao contrário do que está sendo veículado sobre proposta de engavetamento de projetos, o Deputado Arnaldo Faria de Sá foi quem se posicionou contra o travamento da pauta em relação às PCS's em razão de ser ano eleitoral.

Vejamos abaixo o que conta no Blog do Deputado Arnaldo faria de Sá

Terça-feira, Março 09, 2010


09/03/2010 - DENÚNCIA DE ARNALDO FARIA DE SÁ

O SR. PRESIDENTE (Antonio Carlos Magalhães Neto) - Concedo a palavra ao Deputado Manato. (Pausa.) Por permuta, concedo a palavra ao Deputado Arnaldo Faria de Sá.
O SR. ARNALDO FARIA DE SÁ (PTB-SP. Sem revisão do orador.) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Parlamentares, eu participei recentemente da reunião de Líderes e fiquei chocado com a proposta da Liderança do Governo de engavetar todas as PECs. É lógico que nós sabemos qual é o objetivo: tentar impedir a continuidade da votação da PEC nº 300. Nós vamos denunciar isso a todo o País. A PEC está pronta, inclusive já começou a ser votada e foi votado um destaque. Agora, a Liderança do Governo, apoiando os destaques do PT que inviabilizam a votação da PEC nº 300, adotaram essa posição. Também havia o compromisso do Presidente da Câmara dos Deputados, Deputado Michel Temer, de colocar na pauta para ser votada a PEC nº 308, que trata da Polícia Penal, e não traz nenhuma despesa, nenhum custo para este País. Essa PEC, segundo determinação do Líder do Governo, será engavetada. A PEC nº 549, de interesse de delegados de polícia, que apenas recupera o que já constava no texto constitucional de carreira jurídica também vai para a gaveta. Na verdade, nós precisamos denunciar. Algo tem de ser feito. Deve haver pressão popular a fim de que votemos a PEC nº 300, como todos estão esperando. Quanto a essa PEC há uma acordo no seu texto encaminhado do Senado, oriundo da PEC nº 446, que estende também aos policiais civis essa condição. A PEC 308 irá garantir a recuperação do falido sistema penitenciário nacional. Nós simplesmente vamos jogar fora essa proposta que, como já disse, não traz nenhuma despesa ao País nem aos Estados. A PEC 549, da recuperação da carreira jurídica dos delegados, também não será votada. O estranho é apenas uma outra PEC que poderá, com exceção à regra, ser colocada em votação, que é a que garante o direito de uma cadeira à Mesa às Sras. Deputadas, usando-SE o pretexto do Dia Internacional da Mulher. As mulheres merecem todo o respeito, mas temos de respeitar homens e mulheres. Temos de garantir que a PEC 300 tenha continuidade de votação. Iremos mostrar à Casa que o chamado baixo clero tem mais poder do que imagina o Colégio de Líderes e pode submeter à sua decisão. Nós iremos responder de forma afirmativa no plenário que não aceitamos a decisão do Colégio de Líderes. Queremos votar a PEC 300, a PEC 308, a PEC 549 e outras PECs de interesse da sociedade brasileira. Em ano de eleição não se pode votar, a não ser que não eu esteja sabendo que tenha sido decretada a intervenção em Brasília. Deve ter sido decretada a intervenção, porque é ela que impede a continuidade de votação da PEC. Se não houve intervenção, porque as PECs foram para a gaveta, só porque assim quer o Deputado Cândido Vaccarezza? Não admito isso. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário