segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Recomendamos: "Os Dez Mandamentos da Ética" - Gabriel Chalita

Trechos tirados da "Introdução à Segunda Edição".

"Este livro, fruto do estudo da obra de Aristóteles, principalmente Ética e Nicômano, chega à sua segunda edição... Em sete anos, muitos outros livros nasceram da minha inquietude diante da vida... Mudei de opinião e de posição não poucas vezes. Sofri e fiz sofrer. Amei e me permiti amar. Convivi. E é esse o espaço da ética. Interações continuadas de mulheres e homens que cruzaram as margens das liberdades individuais e se frequentam".

"Nas salas de aula, nas palestras, nos programas de rádio e televisão, na solidão dos livros que surgem dos dedos agitados e da mente recheada de observações, imagens e conceito ajudam-me a entender esse intrincado processo paradoxal de acolhimento e agressividade. A violência me oprime e me deprime. Imaginar um mundo com violência sobeja é no mínimo ficar perplexo diante da pouca sensibilidade humana frente ao campo de delícias que se avista por aí".

"Na política, o vício da ganância continua me incomodando. Por que aqueles que chegam ao poder por mandato popular ou pela confiança dos eleitos não se despem de interesses menores em benefício de um sonho coletivo? Por que os interesses individuais são tão fortes a ponto de desmerecer o projeto de nação, de povo, de coletividade?... Falta maturidade para compreender a transitoriedade do poder... O presente do passado faz com que se possa olhar para ontem e sorrir ou lamentar diante do que foi feito e do que se deixou de fazer."

"A sociedade dos individualistas não tem paciência com problemas alheios.A fome é um problema alheio, os moradores de rua, os pedintes, os desempregados, tudo isso é problema alheio. A violência talvez não seja. O iminente risco leva à ação".

"...a competitividade também desafia os defensores do respeito ao outro. Parece que as regras em reuniões intermináveis não se aplicam à ação escondida dos que buscam, porque assim aprenderam, o poder a qualquer preço. Poder que enganosamente acreditam estar no dinheiro ou na posição privilegiada que ostentam para os outros..."

...

"Os prazeres não são desprezados na ética aristotélica, mas não podem escravizar. Não se vive por causa do prazer. Vive-se! E com isso se tem prazer..."

"O avarento, o covarde, o apático ou aqueles que vivem da falta ou do excesso e não do equilíbrio,fruto das excelências morais, fazem as escolhas erradas. A escolha certa vem da harmonia entre razão e emoção. A razão sem emoção é fria; a emoção sem a razão é perigosa. A escolha correta vem da deliberação - o pensar que antecede o fazer".

"Como consequencia da ética se nota o cuidado, a gentileza. Ser gentil é cultivar a boa vontade ou ,em outras palavras, é procupar-se com o outro. Ou ainda, perceber o outro. O outro existe. Não ha ninguém que apenas faça parte da paisagem. Em uma organização as pessoas ocupam funções diferentes, têm obrigações diferentes, mas a todas elas se confere dignidade de pessoa humana..."


Gabriel Chalita
Os Dez Mandamentos da Ética

Os caminhos para uma vida construída sobre os pilares da nobreza de caráter e do equilíbrio entre razão e emoção

Nenhum comentário:

Postar um comentário